Notícias Acompanhe as principais notícias e novidades do WebMioma.

Novidades apresentadas no Maior Congresso de Radiologia Intervencionista

sir2007No recente congresso anual da SIR (Society of Interventional Radiology), maior congresso mundial de Radiologia Intervencionista que contou mais uma vez com a participação do Dr. Nestor Kisilevzky como moderador de temas científicos sobre embolização uterina, foram apresentadas e discutidas as novidades sobre esse tema.
Destaque para o estudo europeu de registro multicéntrico patrocinado pela Sociedade Européia de Radiologia Intervencionista (CIRSE) que agrupou 536 pacientes de 34 centros diferentes de Europa.
Foram também apresentados e discutidos vários aspectos técnicos relacionados com a embolização uterina, especificamente relacionados com o material utilizado para realizar a embolização uterina. Nesse sentido, um estudo realizado no Hospital Northwestern de Chicago comparando a utilização de PVA esférico (Bead Block) com micro esferas calibradas (Embospheres) demonstrou que o PVA esférico provocou um inaceitável índice de falha com relação ao objetivo central do procedimento que é causar isquemia completa dos miomas.

Ficou evidente também a preocupação com o controle da dor no pós-operatório. Um estudo realizado na Universidade de Harvard mostrou que a dor pós-operatória não tem relação com o tamanho ou quantidade de miomas. O estudo salienta que há, no entanto, uma pequena tendência dos miomas intramurais a provocar maior dor após a embolização.

Um outro estudo de Portugal destaca a utilização de partículas misturadas com um antiinflamatório o que reduze a sensação dolorosa pós-operatória. Essa manobra, permite que as pacientes possam fazer o procedimento de forma ambulatorial.
Uma outra preocupação discutida no congresso foi o impacto da embolização na sexualidade da mulher. Um estudo de Nova York mostrou que não houve impacto negativo e sim um controle importante da dor durante a relação sexual após a embolização.
Um outro estudo realizado em Boston, utilizou uma escala conhecida com Índice da Função Sexual Feminina (FSFI) para avaliar o impacto na sexualidade de 100 pacientes submetidas a embolização uterino e evidenciou uma melhora estatisticamente significativa em todos os aspectos relacionados com a sexualidade da mulher.