Projeto Social Embolização de Miomas em pacientes de baixa renda que dependem exclusivamente do SUS.
De acordo com os dados do IBGE existem na área metropolitana de SP mais de 2 milhões de mulheres com idade entre 30 e 45 anos. Muitas delas sofrem com problemas relacionados com a presença de miomas uterinos e dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde

A embolização uterina é um procedimento de Radiologia Intervencionista que ao longo dos últimos anos tem demonstrado a sua eficácia e segurança e por isso tem ganho cada vez mais adeptos. Infelizmente, a embolização uterina é um procedimento que não é rotineiramente oferecido em hospitais públicos. A falta de estrutura tecnológica e/ou equipes médicas especializadas faz com que mulheres de baixa renda não tenham acesso a essa medicina de ponta.

Sensibilizados com essa realidade e em virtude de inúmeros contatos recebidos de pacientes que não tem recursos para arcar com o custo desse procedimento de forma particular, a equipe WebMioma idealizou o conceito de Unidade Móvel de Radiologia Intervencionista que possibilitará o atendimento de pacientes em qualquer Instituição Hospitalar.


Em parceria com o Instituto Israelita de Responsabilidade Social Albert Einstein foi criado o programa para atendimento gratuito de mulheres com mioma sintomático em hospitais do Sistema Único de Saúde mediante a utilização da unidade de radiologia intervencionista móvel – ANGIOMÓVEL – que regularmente visita alguns hospitais públicos no estado de São Paulo.


Essa unidade conta com equipamentos e material de alta tecnologia para a realização de Embolizações Uterinas. Numa primeira etapa foram desenvolvidas parcerias com quatro instituições: Hospital Universitário de Jundiaí, Hospital do Mandaquí, Hospital Regional de Cotia e Hospital Leonor Mendes de Barros. Toda sexta-feira o ANGIOMÓVEL visita uma dessas instituições onde são realizados os procedimentos de embolização uterina de forma gratuita no estilo de “mutirão”. Os casos são selecionados e preparados pelas equipes de ginecologia de cada Instituição na base de um protocolo de cooperação científica e assistencial desenvolvido conjuntamente com a equipe médica WebMioma.

Dessa forma possibilita-se que mulheres de baixa renda que dependem exclusivamente do SUS tenham também acesso ao que existe de melhor em tecnologia médica de ponta para a saúde da mulher.


A seguir fotos do primeiro atendimento realizado no Hospital Universitário de Jundiaí em 17/10/2008.

O ANGIOMÓVEL chega ao Hospital Universitário de Jundiaí.

 

O ANGIOMÓVEL é posicionado para decarregar os equipamentos.

 

Os equipamentos são descarrergados.

 

Os equipamentos são colocados numa sala do centro cirúrgico.

 

A sala de procedimentos é montada no Centro Cirúrgico.

 

Os Drs. Nestor Kisilevzky e Henrique Elkis da equipe WebMioma.

 

Os procedimentos de Embolização começam a ser realizados.

 

A equipe WebMioma e a equipe de médicos do HU de Jundiaí após os procedimentos serem finalizados.

 

A equipe WebMioma e o ANGIOMÓVEL.

 

O ANGIOMÓVEL deixa o HU de Jundiaí de retorno para o Hospital Israelita Albert Einstein.


Maio/09 - Resultados Iniciais do Projeto ANGIOMÓVEL.
No dia 18 de Maio de 2009 o projeto ANGIOMÓVEL atingiu a marca de 106 pacientes tratadas com a técnica de embolização uterina. Embora os cálculos estatísticos estão em fase de elaboração e analise, alguns dados podem já ser apresentados.
Obteve-se 98% de sucesso técnico; o tempo médio de procedimento foi de 45 minutos com tempo de fluoroscopia de 22 minutos. Foram consumidos 2,5 vidros de micro-esferas por paciente e 150ml de contraste radiológico. 97% das pacientes permaneceram apenas 1 noite no hospital. Não houve nenhuma complicação maior decorrente do procedimento. No acompanhamento pós-operatório verificou-se que 80% manifestaram que se encontravam clinicamente melhor. O retorno para as atividades foi, em media, de 10 dias. 95% das pacientes se manifestaram satisfeitas ou muito satisfeitas e 97% recomendariam o procedimento para mulheres com miomas. Na comparação dos questionários para avaliação da qualidade de vida verificou-se que os escores, que antes do procedimento eram de 41 pontos (qualidade de vida muito ruim), se elevaram para 80 pontos (qualidade de vida similar a população normal sem miomas).
Dessa forma pode-se concluir preliminarmente que o projeto ANGIOMÓVEL é perfeitamente viável, tremendamente eficiente e absolutamente seguro.
O projeto ANGIOMÓVEL não somente leve bem estar, mas também esperança para uma parcela da população que não está habituada à aceder ao que existe de mais moderno na Medicina atual.

 

Projeto ANGIOMÓVEL é destaque Internacional.
A revista Interventional News, boletim informativo editado em Londres em parceria entre as Sociedades Americana (SIR) e Européia de Radiologia Intervencionista (CIRSE)destacou na sua edição de Março de 2009 o projeto ANGIOMÓVEL com o título “Brazil sees UFE on wheels” (Brasil vê Embolização Uterina sobre Rodas”). Na matéria destaca-se o projeto inédito, inovador e criativo apresentado pelo Dr. Nestor Kisilevzky no Congresso Anual da Society of Interventional Radiology que teve lugar em San Diego – EUA.
Link para a matéria: HTTP://www.cxvascular.com/in-latest-news/interventional-news


Veja Reportagem com Silvia Popovic - TV Bandeirantes
(Visite o canal de Media)

 


Manutenção do Projeto ANGIOMÓVEL depende da obtenção de recursos financeiros.

O projeto ANGIOMÓVEL mostrou enormes benefícios para as mulheres com miomatose uterina sintomática que não querem ser submetidas à histerectomia nos hospitais públicos. Os resultados da embolização tem se difundido rapidamente e a cada dia, numerosas pacientes nos contatam querendo usufruir desse programa. Infelizmente os recursos destinados não foram suficientes para estender o atendimento de forma universal e por isso este programa foi suspenso em 2011. Por isso fazemos aqui um chamado para aquelas empresa ou entidades que tem consciência da importância da sustentabilidade e da responsabilidade social e queiram colaborar ou contribuir para a manutenção do projeto ANGIOMÓVEL e ajudar com a campanha:

LEVANDO TECNOLOGIA MÉDICA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL!

Lembramos que cada vez mais, valoriza-se a consciência de que uma gestão socialmente responsável pode trazer inúmeros benefícios às empresas. Em muitos depoimentos e pesquisas, a responsabilidade social aparece como responsável pelo apoio da sociedade e dos consumidores, pela preferência de investidores, por um espaço crescente aberto pela mídia, por um bom clima organizacional, pelo recrutamento e retenção de pessoas talentosas.

Pode-se afirmar que o retorno destes investimentos se concretiza através dos seguintes ganhos: em imagem e em vendas, pelo fortalecimento e fidelidade à marca e ao produto; pela valorização da empresa na sociedade e no mercado; em tributação, com as possibilidades de isenções fiscais em âmbitos municipal, estadual e federal para empresas patrocinadoras ou diretamente para os projetos; em produtividade, pelo maior empenho e motivação dos funcionários; em retorno publicitário advindo da divulgação de mídia espontânea e em ganhos sociais, pelas mudanças comportamentais da sociedade.